Dieta milagrosa: a felicidade está no caminho ou na chegada?

Demorei pra escrever esse post, e até pra falar com vocês sobre minha reeducação alimentar. Mas tudo tem seu tempo, não é? Talvez demorei pra falar sobre porque até eu duvidava que conseguiria me reeducar! hahah Sério!

Eu já gostava do meu corpo antes e isso não é mentira. Aliás nada que eu falo pra vocês é, sempre sou o mais sincera possível e amo que nossa relação seja assim <3.

Sabe aquele time da dieta louca? “Vou ficar um mês sem comer tal alimento”, aí esse mês passa e a pessoa conta os dias pra voltar a comer. Quando chega o tão esperado dia ela se farta até passar mal. E esse ciclo vai indo e não para. Quando nos damos conta, é a comida que está nos consumindo, e não nós comendo pra viver, não é? Vamos emendando dieta em cima de dieta e nunca chegamos no resultado almejado – chegamos no resultado que nos deixa com o corpo flácido e machucado desse estica e puxa.

 

Você já fez alguma dessas dietas citadas aqui embaixo?

SIM, eu era desse time. E sei que estou te pedindo para contrariar um mar de pessoas e diversos desafios de digitais influencers, que te convidam a acompanhá-las nas dietas DELAS. Mas só estou te pedindo para não seguir tais dietas porque eu realmente me importo com você, e porque sei que cada corpo é único! Cada uma de nós precisamos de uma coisa e o que funciona pra mim, não irá funcionar pra você.

Lembra que nesses desafios divulgados por aí, ELAS, na maioria das vezes, são orientadas por profissionais que conhecem o corpo e a necessidade DELAS e não as SUAS. Portanto, o corpo é seu ou dela?

 

Se precisar para um pouquinho aqui, reflete e depois continua lendo.

 

Graças a Deus, eu nunca desenvolvi nenhuma doença séria, dessas como anorexia e bulimia. Mas de tanto brincar, e falo no sentido mais literal, brincar mesmo, sem preocupação, sem orientação e sem responsabilidade com o meu corpo, cheguei em um ponto que estava sentindo ele todo machucado.

 

 

 

O meu corpo, de tanto emagrecer e engordar, já não aguentava mais essas dietas. Enxergava no espelho não só um corpo que não me agradava, mas uma felicidade que estava faltando. Digo quantas vezes precisar: Vida de dieta não é vida! A vida é uma continuidade, é o caminho e não a chegada. Essas dietas milagrosas só focam na chegada, e você precisa focar no caminho, porque é ali que a vida acontece!

O que a Ju fez/analisou e colocou em prática comigo? 

A Ju vai explicar tudinho:

“Eu fiz um plano de reeducação alimentar voltado para a estética, ou seja, o objetivo não era focar na perda de peso e sim na melhora da composição da alimentação e uma melhor distribuição de nutrientes.

Em um primeiro momento removemos todos os “extras”, minimizamos o consumo de industrializados, criamos a rotina de comer de 3 em 3 horas e reforçamos o hábito de manter a ingestão de água sempre em torno dos 2 litros por dia.

Somente com estas atitudes básicas somado ao tratamento com probióticos em cápsulas (melhorar a flora intestinal, absorção dos nutrientes e reforçando a imunidade) já conseguimos grandes resultados.

Sem suplementação (isso é muito importante) conseguimos reduzir o percentual de gordura sem perder massa magra (isso é muito bom), pois geralmente quando fazemos “dietas por conta” perdemos peso as custas de perda de massa magra e perda de água.

Ou seja, a perda de peso que tu teve foi única e exclusivamente gordura, com isso atingimos o objetivo estético da redução de medidas e a melhora considerável no aspecto da celulite.

Como estamos atingindo os nossos objetivos, a proposta é continuarmos com este trabalho estético, agora dando ênfase a outros aspectos da estética, como por exemplo começar a cuidar já da pele, preparando ela para o verão que vem aí”

Ela mara né gurias? Sou fã da minha nutri!

Qual era o meu maior vício?

Eu estava comendo cada vez mais doces e cada vez meu corpo precisava de mais e mais. Não conseguia fazer exercícios físicos porque passava mal e não tinha resistência nenhuma. Meu corpo tremia muito quando eu ficava sem chocolate. Tinha dias que passava mal e isso só passava quando comia chocolate, aí eu “voltava ao normal” – viciada reaaaal mesmo!  hehehe

Quando cheguei na Ju, minha nutri, logo falei do chocolate e o quanto precisava dele. Logo ela me disse, que o meu corpo não estava com baixo açúcar e sim com excesso de açúcar. A Ju, que obviamente é cheia de conhecimentos e estudos sobre, me explicou muiiiitas coisas sobre o açúcar. Ela me falou sobre várias informações que eu desconhecia, e foi um desafio! Difícil mesmo, de chorar real! hahah agora eu começo a rir quando lembro mas na época foi bem difícil!

 

Porque demorei tanto pra procurar uma nutricionista?

Demorei bastante pra procurar uma nutricionista, porque não queria alguém que fizesse do mercado minha maior conta no final do mês. Cheio daqueles potes gigantes de comida em farelo que, no fim, são igual a esteiras, viram cabides em casa.

Eu não queria mais dieta. Queria alguém que entendesse minha rotina e me auxiliasse num plano alimentar de vida real.

Acho que eu finalmente tinha entendido que perder em pouco tempo não significava garantia de equilíbrio, qualidade de vida, e que a perda respeitando o nosso corpo sim, trazia tudo que eu queria no tempo certo.

E hoje, graças ao conhecimento da Ju, eu entendo que a suplementação não é algo ruim, quando usada da forma certa, na quantidade certa. Mas que a suplementação não é a base da reeducação, a base é comida de verdade.

 

O que eu não gosto de comer?

Eu amo comer! E como de tudo. Talvez esse seja meu maior ponto positivo. Salada, legumes, arroz, massa, molho, haha TUDO, e até as que não são saudáveis como fritura e doces. Se você me perguntar “do que você não gosta, Nessa?” Acho que nem sei responder. Até sei: não gosto dessas coisas industrializadas que dizem ser saudáveis. Prefiro minha fruta, meu pão caseiro (e antes que me julguem pelo pão, aguardem!) e minhas marmitas.

 

Foi difícil esse início de reeducação alimentar?

Eu ainda estou no início, faz 2 meses que conheci a Ju e comecei o meu acompanhamento. Mas não vou mentir, foi duro. Principalmente porque EU decidi cortar o doce, eu vi o quanto ele estava me fazendo mal, e asseguro que eu era uma formiga chefe, de carteira assinada e com trabalho nos 3 turnos! hahahah Faz dois meses que não como nenhum tipo de doce e resolvi mudar porque eu notei que não ia conseguir viver saudavelmente com o doce se não desse esse tempo de adaptação.

Tenho até uma história para compartilhar sobre isso. No primeiro ou segundo dia de reeducação alimentar fui comer antes de ir pra academia, em uma padaria, até aí tudo bem. Pedi minha torrada de pão integral e estava aguardando, quando um rapaz se sentou na mesa da frente, com um enorme pedaço de bolo de chocolate. E uma dor enorme bateu no meu coração e meus olhos encheram de lágrimas (juro!) e não estou exagerando, aquilo realmente doeu dentro. Porém, eu venci.

 

Umas semanas depois, estava secando a louça pra minha mãe. E aqui em casa é repleto de chocolate, sério, daquelas coisas que nunca faltam. E a minha mãe, para me ajudar na reeducação, escondeu todos os chocolates. Então, fui pegar o pano de prato para secar a louça e adivinha onde ela tinha guardado? SIM, embaixo dos panos de prato! Meus olhos novamente encheram de lágrimas (hahaha) e eu senti vontade de abraçar os chocolates como se fossem uma pessoa que eu amava e não via há tempo. Porém, de novo, eu venci.

Até sonhar com uma mesa cheia de coisas gostosas eu sonhei, sabe aquelas cenas de alguém todo lambuzado de chocolate e querendo comer tudo o mais rápido? Bem assim! Confesso que acordei assustada. Mas, eu venci.

E, assim, mais algumas coisas aconteceram, já na terceira semana eu estava com um mal humor insuportável e a vontade de matar alguém…

 

Quando parei de sentir falta do doce?

Foi na quinta semana. No final da quarta eu já não acordava mais com a vontade do doce, mas ela batia de vez em quando. Depois na quinta, começou a ficar mais tranquilo e hoje não sinto mais falta. Não é algo que vou banir da vida, mas por enquanto não sinto a necessidade, então não vou consumir.

 

O que mais mudou na minha alimentação?

A quantidade da porção e a quantidade de vezes que eu como durante o dia. Antes eu comia 3x ou 4x durante o dia, em grandes porções. Hoje eu tenho 6x ou 7x refeições com porções menores que igualmente me saciam.

 

É difícil fazer a alimentação do dia com tantas refeições?

Eu acho que tudo é questão de organização. Para organizar a alimentação que levo para rua, por exemplo no período da tarde que sempre fico fora e só volto a noite (estamos falando de 3 refeições) levo mais ou menos 30 min. E o que eu mais amo, é que o app dá um aviso com a hora da refeição e você não corre o risco da hora passar! <3 E fora que a segurança de nunca passar fome é ótimo porque sempre tenho comida na bolsa hahaah (meu cérebro é de gordinha ainda, desculpem). Mas respondendo a pergunta: acho tranquilo, basta se organizar!

 

Quais resultados você já teve?

Eu, particularmente fiquei muito feliz com meus resultados, não foram enormes mas também não deixaram a desejar. Vou colocar as métricas aqui pra vocês analisarem:

No primeiro mês, eu perdi mais peso do que medida e agora eu perdi mais medida do que peso. E isso é super normal segundo minha Nutri. A Ju me explicou que isso é questão de intestino e corpo, ou seja, CADA UM TEM O SEU.

 

 

Nessa, você jaca muito?

Não, não tiro o dia da jaca. Mas quando estou com vontade de comer algo, eu como. Em uma refeição sabe? Não o dia todo. Eu sou enlouquecida por hambúrguer e comi durante esses meses sim, mas nada como antes. Quantidades bem menores e menos vezes também! hahaha

 

Dica de coração:

Indico pra vocês minha nutri, Juliana Ziebell, que eu amo e confio de olhos fechados! Indico ela pela atenção que ela tem com cada paciente. A preocupação em entender a rotina e aliar a alimentação de um jeito que você consiga se organizar para cumprir é o que eu mais amo, fora o fato dela trabalhar com comida simples, comida de verdade. Como eu trabalho bastante com a minha imagem e sei da importância que ela tem para mim, a Ju se encaixou direitinho! Ainda mais porque ela está fazendo pós em nutrição clínica e estética, então a minha reeducação potencializa os procedimentos estéticos que faço. Ela também compartilha várias receitas, no instagram e no dietbox que os pacientes têm acesso! A minha nutricionista atende em Santa Cruz do Sul e para entrar em contato:

Nutricionista CRN2 13199 Nutrição Clínica e Estética (em andamento)

Borges 3711 6987

Deodoro 2109 1676 ou 2109 1776

Santa Cruz do Sul – RS – Brasil m.facebook.com/Juziebellnutricionista

 

Espero que esse post inspire você a se cuidar mais, a prestar mais atenção das fontes que você bebe e que muitas vezes não te fazem bem – cuideo que você na internet! O que mais importa é a nossa saúde. Óbvio que todas querem se sentir bonita, mas precisamos entender nosso corpo… Com o meu biotipo, por exemplo, eu nunca vou conseguir ser uma Gisele. E está tudo bem se for assim! Porque mesmo não sendo a Gisele, no meu tipo de corpo, no meu estilo de vida, consigo ter os resultados e a saúde que preciso.

 

Alinha os seus sonhos à sua realidade e vai sem medo! Ou com medo mesmo, hehe. Mas lembra que o medo não existe, ele é algo irreal. O medo só faz a gente pensar em todas as possibilidades que não dariam certo, e se o pensamento é a nossa maior arma para criar a realidade, vamos ocupar a nossa mente com pensamentos bons e o nosso corpo com uma alimentação saudável, dentro da realidade de cada uma de nós.

 

Com muito carinho, Vanessa de Andrades – @nessadeandrades

 

One thought on “Dieta milagrosa: a felicidade está no caminho ou na chegada?

  1. Ô minha linda! Sempre inspirando com teus textos que tocam o coração da gente. Este em especial me deixou muito feliz, principalmente por poder fazer parte desta mudança de comportamento em relação a alimentação. Definitivamente a felicidade mora no caminho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *